Estagiária que denunciou colega por se masturbar em sala de prefeitura no interior de SP precisou de atendimento psicológico, diz pai: ‘Traumatizada’

prefeitura1-768x434

O pai da estagiária que denunciou um assessor de imprensa da Prefeitura de Taquarituba (SP) por assédio sexual contou ao G1 que a jovem estava animada para iniciar a carreira profissional e que ficou espantado ao saber o que ocorreu, ainda mais dentro do prédio da prefeitura.

Segundo o boletim de ocorrência, a estagiária de 18 anos contou que o homem se masturbou na frente dela dentro da sala oficial de imprensa. O funcionário negou as acusações e disse que vai entrar com um processo por calúnia, pois, segundo ele, a denúncia é “infundada”.

O pai da estagiária disse que está transtornado com o que houve e que a filha precisou passar por atendimento psicológico depois do ocorrido. De acordo com o pai, o estágio na prefeitura era o primeiro emprego da filha, que começou a trabalhar no mês de julho.

“Tenho três filhas e nunca imaginei que isso poderia ocorrer dentro de um prefeitura. Para mim, esse era um lugar seguro. Minha filha estava cheia de expectativas ao iniciar a carreira profissional e agora está traumatizada.”

Segundo ele, já nas primeiras semanas, a filha relatou se sentir desconfortável com as “piadas” que o funcionário contava.

“Ela tem vergonha, mas contou que se sentia constrangida com algumas piadinhas do assessor. Ou seja, essa não é a primeira vez. Quando soube, fiz questão de registrar um boletim de ocorrência para que isso não ocorra com ou garotas”, afirma.

Denúncia

De acordo com o boletim de ocorrência, a estagiária relatou que, no dia 12 de agosto, o assessor aproveitou o momento em que os dois estavam sozinhos na sala de imprensa e começou a se masturbar na frente dela, debaixo da mesa, e pediu para que ela o ajudasse.

Ainda segundo o relato da jovem à polícia, constrangida e em choque com o ocorrido, ela saiu do local, alegando que precisava tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Mesmo assim, a estagiária contou aos policiais que o funcionário insistiu para que ela ficasse.

No BO também consta que a jovem retornou à prefeitura mais tarde para buscar uma bolsa e pedir demissão. A jovem disse à polícia que contou sobre o assédio para o seu superior, quando questionada sobre o motivo da decisão, e afirmou que iria registrar a ocorrência contra o assessor.

A Prefeitura de Taquarituba informou que abriu um processo administrativo disciplinar para apurar as acusações do assédio sexual, ocorrido na sala de imprensa oficial. A prefeitura reforçou ainda que repudia qualquer tipo de assédio.

Já a Polícia Civil disse que vai ouvir todos os envolvidos e investigar o caso. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o caso foi registrado como importunação sexual na delegacia de Taquarituba e será instaurado um inquérito policial.

 

Fonte: Tv Tem