Criança de 3 anos é esquecida por mais de 4 horas dentro de ônibus escolar em Duartina

conselho-tutelar-duartina-300622

Funcionários da escola municipal foram até o ônibus, que fica estacionado em frente à unidade escolar, e encontraram o garoto nos fundos do veículo.

Segundo os familiares, o menino estava todo urinado e comendo o lanche que havia levado em sua mochila, mas não se feriu. O Conselho Tutelar também foi acionado e levou o menino até a mãe.

Consultada, a Prefeitura de Duartina, responsável pelo serviço de transporte de alunos, informou à reportagem que “lamenta profundamente o ocorrido”.

A Polícia Civil de Duartina (SP) abriu uma investigação para apurar o caso de uma criança de 3 anos que foi esquecida dentro de um ônibus escolar por cerca de quatro horas e meia. O caso aconteceu na quarta-feira (29) e familiares registram um boletim de ocorrência nesta quinta-feira (30).

Segundo familiares do garoto, ele foi colocado no ônibus da prefeitura por volta das 7h da manhã para ser levado à escola Cemei Laodiceia Pereira Cardozo, mas não desembarcou.

Ao final da manhã, um outro veículo, um micro-ônibus que presta serviço à prefeitura, leva as crianças até um ponto onde os pais vão buscá-las.

Neste momento, a mãe do menino já estava à sua espera, mas ele não desceu do micro-ônibus e o motorista não soube informar de sua localização. Desesperados, familiares iniciaram as buscas e ligaram para a escola.

Por telefone, o secretário municipal de Educação, José Joannitti, disse que os servidores envolvidos no caso, o motorista do ônibus e o monitor, foram exonerados de seus cargos.

Segundo o delegado Paulo Calil, o caso foi registrado pelos crimes de exposição a perigo e abandono de incapaz, ambos do Código Penal. Agora, testemunhas e envolvidos serão ouvidos, especialmente motorista do ônibus e monitor.

Após concluído, o inquérito será encaminhado ao Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), para o encaminhamento judicial, e também para a prefeitura, para a tomada de medidas administrativas.

 

Fonte: G1

Últimas Noticias