Médico vira doador em transfusão inédita realizada no HC de Botucatu

procedimento_hemocentro___doador-3377896

Botucatu – Na corrida contra o tempo para salvar a vida de um jovem com leucemia que estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), um hematologista do Hemocentro da unidade se ofereceu para fazer a doação de granulócitos – células de defesa do organismo responsáveis pelo combate e eliminação de infecções. O médico Leandro Lustri Almeida cumpria todos os requisitos necessários e protagonizou a primeira transfusão do tipo no hospital.

Segundo o HC, o procedimento é recomendado a pacientes que não têm células de defesa no organismo por um tempo prolongado, geralmente com o diagnóstico de algum tumor na medula óssea ou infecções muito graves.

“A evolução do tratamento quimioterápico possibilitou que pacientes com doenças graves tenham uma maior sobrevida, mas também períodos prolongados com baixa taxa de células de defesa, que não conseguem ter seu número aumentado pela maior resistência de várias bactérias, ocasionada atualmente pelo uso indiscriminado de antibióticos. Para casos excepcionais como este, a transfusão de granulócitos é um procedimento a ser aplicado”, explica Tamiris Dias das Silveira Lustri, médica hematologista do Hemocentro do HC.

No caso do jovem que recebeu a transfusão, que não teve o nome divulgado pelo hospital, a produção de células de defesa não ocorria há 15 dias. Diante da urgência e da gravidade do quadro de saúde dele, o médico Leandro Lustri Almeida se ofereceu para doar os componentes.

“Tínhamos apenas 48 horas para fazer a transfusão. Não daria tempo de buscar um doador compatível em nossa lista. Além disso, são necessárias de três a quatro horas de coleta, ser medicado e coletar sorologias no dia anterior. Como me encaixava em todos os requisitos, me voluntariei para ajudar”, conta Leandro. “Mais dois profissionais do Hemocentro também se prontificaram. Fiquei muito feliz em poder ajudar, como médico e como doador, e toda a equipe se envolveu emocionalmente com isso”.

De acordo com o HC, o procedimento foi bem sucedido e o objetivo da elevação da taxa de glóbulos brancos foi atingido no dia seguinte à transfusão. Thiago Herbst, coordenador do Hemocentro, revela que este procedimento melhora a imunidade do paciente, dando tempo para que o seu sistema imunológico se recupere. “Com esta transfusão, aliada à estrutura que temos, o Hemocentro do HCFMB se projeta no patamar de grandes centros do Brasil”, declara.

Fonte: JcNet