Caio Induscar propõe novo acordo coletivo aos colaboradores

14news.com.br-caio-induscar-propoe-novo-acordo-coletivo-aos-colaboradores-caio-mondego-2-1024x678

Devido ao atual cenário econômico, muitas empresas têm gerenciado seus recursos para diminuir os efeitos negativos gerados pela pandemia. Especificamente no segmento de transporte coletivo, as compras de ônibus caíram de forma significativa, impactando na produção de carrocerias.
Em um esforço para preservar o equilíbrio financeiro e a maioria dos empregos de toda equipe, a empresa realizou a antecipação de feriados e, na sequência, Acordo Coletivo com a duração de dois meses, no qual ocorreu a flexibilização de jornada de trabalho e salário.

Com o encerramento do Acordo em 31 de maio, não foi possível manter todos os postos de trabalho, em um segmento de mercado com queda de 60%. Dessa forma, houve a redução de cerca de 10% da equipe, aproximadamente 320 pessoas. Uma importante parcela das demissões foi por opção dos colaboradores.

“Se nós fôssemos pautar as nossas decisões apenas em fatos e em números, a quantidade de demissões seria quase sete vezes maior. Foi graças aos recursos disponibilizados pelo Governo Federal, aliados a estudos de diferentes cenários e à confiança e determinação dos acionistas, que conseguimos formatar uma nova proposta que votada em Assembleias nesta quinta e sexta-feira, 04 e 05 de junho”, explica Maurício Lourenço da Cunha, diretor industrial da Caio.

O proposto para os colaboradores no Acordo é baseado em três pilares: a suspensão do contrato de trabalho, de acordo com as regras da Medida Provisória 936/2020 nos meses de junho e julho, a redução de jornada de trabalho e de salários entre agosto e novembro de 2020 e o Banco de Horas, para compensação futura com prazo até dezembro de 2021.

Praticamente todos os colaboradores entrarão em suspensão do contrato, com escala alternada de trabalho, nos meses de junho e julho, dividida em equipes (50% em cada mês). Quem trabalhar integralmente durante o mês, recebe 100% do salário, enquanto que os colaboradores que permanecerem em casa, recebem 30% do salário, mais 70% do valor do benefício emergencial, conforme previsto na Medida Provisória. No mês seguinte, as posições são invertidas.

Prezando pela saúde e segurança dos colaboradores do Grupo de Risco, que foram afastados desde o início, a empresa irá mantê-los afastados, em suspensão de contrato de trabalho pelos dois meses.
“Além da estabilidade no emprego pelo período de 6 meses, serão mantidos todos os benefícios da empresa aos colaboradores que estiverem em suspensão de contrato, que incluem plano de saúde e odontológico, cartão com desconto em Folha, entre outros”, explica Silvio dos Santos, gerente corporativo de Recursos Humanos.

Já a redução de jornada de trabalho terá a duração de 116 dias, com validade até 30 de novembro de 2020. Durante este período, a redução máxima dos salários será de 40%. Caso a situação de produção total seja alcançada, o percentual retorna para 100% de jornada e salários.
O Banco de Horas é um recurso que poderá ser utilizado caso não haja produção nas unidades fabris, devido a um possível agravamento da situação de mercado ou da pandemia. Fica garantido o pagamento de 60% do salário aos colaboradores, sendo que, as horas pagas e não trabalhadas serão automaticamente lançadas em Banco de Horas, a serem compensadas até 31 de dezembro de 2021.

A votação pelo Acordo, realizada em Assembleias, confirma o resultado positivo de 85% de aprovação na fabricante de ônibus Caio, tendo também resultado bastante significativo em todo o Grupo – 87% de aprovação. O diretor industrial ressalta a postura que permeia a gestão atual “Acreditamos na maturidade e no espírito de união de nosso time que, mais uma vez, participou de um esforço conjunto, para minimizar os impactos dessa crise.”

VENDE DE NOVOS ÔNIBUS

Renovação de frota do Chile contará com 355 carrocerias de ônibus Caio
A Caio Induscar, em parceria com a Scania, iniciou no mês de maio a entrega de 355 novos ônibus para o sistema de transporte da cidade de Santiago, capital do Chile. Eles irão operar no sistema urbano Red Metropolitana de Movilidad e fazem parte da renovação de frota da empresa Express Uno.

Os veículos foram adquiridos no modelo Mondego, de motor traseiro, produzidos pela marca Caio, principalmente para o segmento urbano do mercado externo. Das 355 unidades, 135 são articuladas, encarroçadas sobre chassi Scania K320 UA 6×2/2, com tecnologia Euro 6, e 220 são padrão, sobre chassis Scania k280 UB 4×2.

O Diretor Comercial da Caio, Sr. Paulo Ruas, enfatiza que a marca é tradicionalmente reconhecida no mercado chileno. “Nossos produtos se destacam pela resistência, inovação e tecnologia, visando atender diariamente às necessidades de clientes e passageiros, com qualidade e excelência”, comenta.

Os veículos partem de Botucatu, onde está localizada a unidade Fabril da Caio, no interior de São Paulo, rumo a Santiago, em uma viagem de, aproximadamente, 10 a 15 dias de duração.
Uma das curiosidades é que durante o trajeto, os ônibus passam pela Cordilheira dos Andes, cartão postal chileno e uma das mais famosas cadeias montanhosas do mundo, com aproximadamente 8 mil quilômetros de extensão.

Sobre o Mondego
Das 355 unidades adquiridas, 220 possuem comprimento de 12.500 mm. Já os outros 135 veículos articulados, contam com o comprimento de 18.600 mm. Todos os veículos estão em conformidade com as normas vigentes e com capacidade de lotação otimizada.

Todos os ônibus são 100% acessíveis, equipados com rampas móveis e assentos destinados a pessoas com deficiência (PcD), mobilidade reduzida e idosos.

Diretor Industrial da Caio, Sr. Maurício Lourenço da Cunha, destaca que todos os modelos direcionados para o Chile contam com diversos recursos tecnológicos. “Os ônibus possuem sistema multiplex, o qual proporciona ao condutor o controle total das funções do ônibus e auxilia na identificação de falhas operacionais e elétricas; contam com sensores de estacionamento na parte traseira e dianteira; quatro itinerários eletrônicos em LED com atualização via Wi-fi; preparação para GPS e Wi-fi; tomadas USB, para recarga de smartphones, e outros eletrônicos; gerenciamento de frota; monitoramento por câmeras e alto-falantes, para realizar a sonorização interna”, salienta.

Prezando o conforto e a comodidade de todos, os ônibus também possuem ar-condicionado, poltronas injetadas semiestofadas para passageiros e solicitação de parada sem fio.

A cabine fechada com vidro, padrão no país, proporciona uma barreira de segurança ao motorista, isolando-o dos passageiros. A poltrona pneumática com encosto alto e regulagem de altura por meio de botão no painel, oferece ergonomia ideal e conforto ao condutor.

Visando a maior segurança de todos, os veículos também são equipados com portas tipo fole, com acionamento pneumático, sistema antiesmagamento e bloqueadores originais do chassi, os quais evitam abertura inesperada durante o trajeto.

Sobre a Caio
Com dois parques fabris, com sede na cidade de Botucatu e filial na Barra Bonita, ambas no interior paulista, a Caio possui capacidade produtiva de 50 carrocerias ao dia, nas duas unidades.

Conta com equipes de representação de vendas em todo o Brasil e no exterior e escritório central na cidade de São Paulo. Também com renomada equipe de assistência técnica e facilidades na aquisição e troca de peças de reposição.

A Caio é reconhecida como uma das maiores geradoras de empregos da região, e faz parte do Grupo Caio Induscar, um conglomerado de empresas composto pela Busscar, uma das marcas mais respeitadas na produção de ônibus rodoviários do país; CPA (Centro de Processamento de Alumínio); Fiberbus (Fabricante de Peças em Fibras); GR3 (Centro de Distribuição de Alumínio); Inbrasp (Fabricante de peças de Plásticos Automotivas) com duas unidades fabris, uma em Botucatu, SP, e outra em Betim, MG; Tecglass (fabricante de vidros temperados).

Fonte: 14 News